Arquivo mensais:setembro 2011

Novos Desenvolvimentos sobre a Regulação da Neutralidade de Rede

Em 2008, em seu testemunho ao Senado Americano, em um painel sobre o futuro da Internet, Lawrence Lessig afirmava que em 2002 a neutralidade da rede era uma solução em busca de um problema. Contudo, continuava ele, ao longo dos últimos anos, os provedores de Internet tinham sido muito gentis em oferecer vários exemplos dos problemas para o qual as regras sobre neutralidade seriam uma solução [1].

Neutralidade de rede é um princípio de arquitetura de rede, que prevê que toda a informação que trafega pela rede deve ser tratada de maneira isonômica independentemente de seu conteúdo (texto, vídeos, música e fotos) e do aplicativo que a origina e a qual ela se destina. Segundo Tim Wu, para que uma rede de informação pública seja o mais útil possível, ela deve tratar todo o conteúdo igualmente, permitindo que o máximo de aplicações estejam disponíveis aos usuários. Isso implica dizer que provedores de acesso à Internet não devem bloquear o uso de determinados aplicativos em sua rede, nem mesmo diminuir a velocidade de tráfego para um determinado conteúdo ou aplicativo em benefício de outros. Da mesma forma, a ideia de que provedores de acesso poderiam cobrar valores diferenciados de provedores de conteúdo – de websites, tais como Youtube.com – para que usuários de sua rede tenham acesso mais rápido ou preferencial àquele conteúdo, também deve ser proibida. Quem tiver interesse em se aprofundar sobre a discussão, o site de Tim Wu tem ótimas explicações e links para diversos artigos.

Toda a indústria que opera na Internet – e não a que opera fornecendo acesso à Internet – deveria ter a neutralidade de rede como preocupação número um. Isso por que o princípio de neutralidade é a principal garantia de que a Internet continuará sendo uma plataforma livre e sem restrições para a inovação. Ele assegura também que as barreiras para entrada no mercado continuarão baixas, possibilitando que a cultura de grandes empresas iniciadas em pequenas garagens continue a existir aumentando a competição e a inovação. Em outras palavras, o princípio da neutralidade visa manter as características que possibilitaram que a Internet tenha se tornado o que é hoje em dia.

Governos e entidades reguladoras ao redor do mundo, despertados pelos cada vez mais frequentes exemplos de afronta à neutralidade de rede tem iniciado um processo de discussão e implementação das primeiras normas sobre neutralidade de rede. Seguindo a liderança do Chile, que em 2010 aprovou a primeira lei sobre neutralidade de rede do mundo, Colômbia recentemente adotou norma em seu plano nacional de desenvolvimento para impedir práticas de discriminação de informações. No âmbito da União Europeia, Holanda foi a pioneira na adoção de norma específica. Um quadro comparativo das principais regulamentações e propostas de regulamentação de neutralidade de rede em alguns países da América Latina pode ser visto abaixo. A coloração indica a influência de uma lei sobre as leis de outros países, assim vemos que a lei chilena tem uma fortíssima influência sobre o projeto de lei argentino e sobre a lei colombiana de neutralidade. Brasil e México por sua vez tem discutido abordagens distintas da chilena.

Quadro Comparativo das Legislações e Propostas Legislativas sobre Neutralidade de Rede na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Venezuela.

Chile

Argentina

Colombia

Brasil

México

Venezuela

Ley 18.168 de 2010

Artículo 24 H.- Las concesionarias de servicio
público de telecomunicaciones que presten servicio a los proveedores de
acceso a Internet y también estos últimos; entendiéndose por tales, toda
persona natural o jurídica que preste servicios comerciales de conectividad
entre los usuarios o sus redes e Internet:

a) No podrán arbitrariamente bloquear, interferir,
discriminar, entorpecer ni restringir el derecho de cualquier usuario de
Internet para utilizar, enviar, recibir u ofrecer cualquier contenido,
aplicación o servicio legal a través de Internet, así como cualquier otro
tipo de actividad o uso legal realizado a través de la red. En este sentido,
deberán ofrecer a cada usuario un servicio de acceso a Internet o de
conectividad al proveedor de acceso a Internet, según corresponda, que no
distinga arbitrariamente contenidos, aplicaciones o servicios, basados en la
fuente de origen o propiedad de éstos, habida cuenta de las distintas
configuraciones de la conexión a Internet según el contrato vigente con los
usuarios.

Con todo, los concesionarios de servicio público
de telecomunicaciones y los proveedores de acceso a Internet podrán tomar las
medidas o acciones necesarias para la gestión de tráfico y administración de
red, en el exclusivo ámbito de la actividad que les ha sido autorizada,
siempre que ello no tenga por objeto realizar acciones que afecten o puedan
afectar la libre competencia.

Los concesionarios y los proveedores procurarán
preservar la privacidad de los usuarios, la protección contra virus y la
seguridad de la red. Asimismo, podrán bloquear el acceso a determinados
contenidos, aplicaciones o servicios, sólo a pedido expreso del

usuario, y a sus expensas. En ningún caso, este
bloqueo podrá afectar de manera arbitraria a los proveedores de

servicios y aplicaciones que se prestan en
Internet.

b) No podrán limitar el derecho de un usuario a
incorporar o utilizar cualquier clase de instrumentos, dispositivos o
aparatos en la red, siempre que sean legales y que los mismos no dañen o
perjudiquen la red o la calidad del servicio.

c) Deberán ofrecer, a expensas de los usuarios que
lo soliciten, servicios de controles parentales para contenidos que atenten
contra la ley, la moral o las buenas costumbres, siempre y cuando el usuario
reciba información por adelantado y de manera clara y precisa respecto del
alcance de tales servicios.

d) Deberán publicar en su sitio web, toda la
información relativa a las características del acceso a Internet ofrecido, su
velocidad, calidad del enlace, diferenciando entre las conexiones nacionales
e internacionales, así como la naturaleza y garantías del servicio. El
usuario podrá solicitar al concesionario o al proveedor, según lo estime, que
le entregue dicha información a su costo, por escrito y dentro de un plazo de
30 días contado desde la solicitud.

Proyecto de Ley de la Cámara de Diputados de
la Nación 1159-D-2011

ARTÍCULO
1.- Las empresas ISP (Internet Service Provider), que comprenden a toda
persona natural o jurídica que preste servicios comerciales de conectividad
entre los usuarios o sus redes e Internet, y todas las empresas que brinden
conectividad a los proveedores de acceso a Internet:

a)
no podrán arbitrariamente bloquear, interferir, discriminar, lentificar,
suspender, ni restringir la utilización, el envío, la recepción o el
ofrecimiento de cualquier contenido, aplicación o servicio legal a través de
Internet por parte de cualquier usuario de este servicio, así como cualquier
otro tipo de actividad o uso legal realizado a través de la red.

b)
no podrán limitar el derecho de los usuarios de incorporar o utilizar
cualquier clase de instrumentos, dispositivos o aparatos en la red, siempre
que sean legales y que los mismos no dañen ni perjudiquen la red o la calidad
del servicio.

c)
podrán tomar las medidas o acciones necesarias para la gestión de tráfico y
administración de red, en el exclusivo ámbito de la actividad que les ha sido
autorizada, siempre que ello no tenga por objeto realizar acciones que
afecten o puedan afectar la libre competencia. Asimismo, podrán bloquear el
acceso a determinados contenidos, aplicaciones o servicios, sólo a pedido
expreso del usuario, y a sus expensas. En ningún caso, este bloqueo podrá
afectar de manera arbitraria a los proveedores de servicios y aplicaciones
que se prestan en Internet.

ARTÍCULO
2.- Todos los ISP deberán publicar en su sitio web toda la información
relativa a las características del acceso a Internet ofrecido, su velocidad
(tanto de bajada como de subida), calidad del enlace, diferenciando entre las
conexiones nacionales e internacionales, así como la naturaleza y garantías
del servicio.

Proyecto de Ley S-1491/11

Artículo
1o.- Las prestadoras de servicio de telecomunicaciones y proveedores que
presten el servicio de acceso a Internet, no podrán; bloquear, interferir,
discriminar, entorpecer ni restringir el derecho de cualquier usuario de
Internet para utilizar, enviar, recibir u ofrecer cualquier contenido,
aplicación o servicio legal a través de Internet, así como cualquier otro
tipo de actividad o uso legal realizado a través de la red. Estará prohibido
establecer jerarquías o prioridades en la información o servicios en
Internet.

No
podrán perjudicar la calidad de servicio contratado a través de medidas de
gestión de tráfico. Los usuarios podrán tener acceso a todo el contenido sin
la intermediación de los proveedores de acceso a Internet.

Artículo
2o.- Las prestadoras de servicio de telecomunicaciones deberán ofrecer a cada
usuario un servicio de acceso a Internet o de conectividad al proveedor que
no distinga arbitrariamente contenidos, aplicaciones o servicios.

Artículo
3o.- Las prestadoras de servicio de telecomunicaciones y los proveedores de
acceso a Internet podrán tomar las medidas para la gestión de tráfico y
administración de red, exclusivamente en el ámbito que han sido autorizadas,
siempre que ello no afectar la libre competencia.

Ley 1450 de 2011

Artículo 56.

Neutralidad en Internet. Los prestadores del servicio de Internet:

1. Sin perjuicio de lo establecido en la Ley 1336
de 2009, no podrán bloquear, interferir, discriminar, ni restringir el
derecho de cualquier usuario de Internet, para utilizar, enviar, recibir u
ofrecer cualquier contenido, aplicación o servicio lícito a través de
Internet. En este sentido, deberán ofrecer a cada usuario un servicio de
acceso a Internet o de conectividad, que no distinga arbitrariamente
contenidos, aplicaciones o servicios, basados en la fuente de origen o
propiedad de estos. Los prestadores del servicio de Internet podrán hacer
ofertas según las necesidades de los segmentos de mercado o de sus usuarios
de acuerdo con sus perfiles de uso y consumo, lo cual no se entenderá como
discriminación.

2. No podrán limitar el derecho de un usuario a
incorporar o utilizar cualquier clase de instrumentos, dispositivos o
aparatos en la red, siempre que sean legales y que los mismos no dañen o
perjudiquen la red o la calidad del servicio.

3. Ofrecerán a los usuarios servicios de controles
parentales para contenidos que atenten contra la ley, dando al usuario
información por adelantado de manera clara y precisa respecto del alcance de
tales servicios.

4. Publicarán en un sitio Web, toda la información
relativa a las características del acceso a Internet ofrecido, su velocidad,
calidad del servicio, diferenciando entre las conexiones nacionales e internacionales,
así como la naturaleza y garantías del servicio.

5. Implementarán mecanismos para preservar la
privacidad de los usuarios, contra virus y la seguridad de la red.

6. Bloquearán el acceso a deter

minados contenidos, aplicaciones o servicios, sólo
a pedido expreso del usuario.

Parágrafo. La Comisión de Regulación de
Comunicaciones regulará los términos y Condiciones de aplicación de lo
establecido en este artículo. La regulación inicial deberá ser expedida
dentro de los seis meses siguientes a la entrada en vigencia de la presente
ley.

Anteprojeto de Lei – Marco Civil da Internet

Art. 10. O responsável pela transmissão, comutação
ou roteamento tem o dever de tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de
dados, sem distinção por conteúdo, origem e destino, serviço, terminal ou
aplicativo, sendo vedado estabelecer qualquer discriminação ou degradação do
tráfego que não decorra de requisitos técnicos necessários à prestação
adequada dos serviços, conforme regulamentação da Agência Nacional de Telecomunicações
– Anatel sobre preservação e garantia da neutralidade da rede.

Parágrafo único. Na provisão de conexão à Internet,
onerosa ou gratuita, é vedado monitorar, filtrar, analisar ou fiscalizar o
conteúdo dos pacotes de dados, ressalvadas as hipóteses admitidas em lei.

Regulamento
Anatel

Art. 59. É
vedado à Prestadora realizar bloqueio ou tratamento discriminatório de
qualquer tipo de tráfego, como voz, dados ou vídeo, independentemente da
tecnologia utilizada.

§ 1º A
vedação prevista no caput deste artigo não impede a adoção de medidas de
bloqueio ou gerenciamento de tráfego que se mostrarem indispensáveis à
garantia da segurança e da estabilidade do serviço e das redes que lhe dão
suporte.

§ 2º Os
critérios para bloqueio ou gerenciamento de tráfego de que trata o § 1º deste
artigo devem ser informados previamente a todos os Assinantes e amplamente
divulgados a todos os interessados, inclusive por meio de publicação no sítio
da Prestadora na Internet

§ 3º O
bloqueio ou gerenciamento de tráfego deve respeitar a privacidade dos
Assinantes, o sigilo das comunicações e a livre, ampla e justa competição.

Proyecto de
Ley para modificación de la Ley Federal de Telecomunicaciones

Articulo 44

XVI. Cuando presten servicios de acceso a
Internet, fijo o móvil, garantizar el libre tráfico en la red y abstenerse de
bloquear, discriminar, entorpecer o restringir el derecho de los usuarios a
acceder, consultar, transmitir, recibir, contratar u ofrecer cualquier
contenido, servicio o aplicación de carácter lícito.

Los proveedores de acceso a Internet que no sean concesionarios pero que
hagan uso de una red pública de telecomunicaciones se sujetarán asimismo a lo
dispuesto por esta fracción.

Não há.

É interessante notar que várias dessas legislações tem forte influência por sua vez de regras básicas estruturantes que vem sendo testadas pelo órgão de regulação de telecomunicações americano, o Federal Communications Commission desde de 2005. O quadro abaixo ilustra como as quatro liberdades básicas constantes da declaração do FCC de 2005 estão presentes nas outras legislações.

Quadro Comparativo das Liberdades Básicas para Open Internet do FCC com as Legislações e Propostas Legislativas do Chile, Argentina, Colombia, Brasil, México e Venezuela

Liberdades
Básicas para Neutralidade de Rede do FCC

Chile

Argentina

Colombia

Brasil

México

Venezuela

Liberdade de acesso a qualquer conteúdo legal

Art. 24, H, a)

PL 1159-D-2011

Art. 1, a)

Lei 1.450 de 2011, Art. 56, 1.

Anteprojeto de Lei – Marco Civil da Internet

Art. 10, caput.

PL para modificação da Lei Federal de
Telecomunicações

Art. 44

Não há [2].


PL S-1491/11

Art. 1

Regulamento Anatel,

Art. 59, caput.

Liberdade para rodar qualquer aplicativo lícito

Art. 24, H, a)

PL 1159-D-2011

Art. 1, a)

Lei 1.450 de 2011, Art. 56, 1.

Anteprojeto de Lei – Marco Civil da Internet

Art. 10, caput.

PL para modificação da Lei Federal de Telecomunicações

Art. 44

Não há.

PL S-1491/11

Art. 1

Regulamento Anatel, Art.
59, caput.

Liberdade para conectar quaisquer dispositivos que não interfiram com o funcionamento da rede (carterfone)

Art. 24, H, b)

PL 1159-D-2011

Art. 1, b)

Lei 1.450 de 2011, Art. 56, 2.

Não consta na norma
específica de neutralidade [3].

Não consta na norma
específica de neutralidade

Não há.

Não consta na norma
específica de neutralidade.

Acesso a informações
abrangentes sobre planos de serviço (transparência)

Art. 24, H, d)

PL S-1491/11

Art. 2

Lei 1.450 de 2011, Art. 56, 4.

Anteprojeto de Lei – Marco Civil da Internet

Art.
8, IV.

Não consta na norma
específica de neutralidade

Não há.

Regulamento Anatel, Art.
59, §2º

Quadro Comparativo de Outros Assuntos Chave nas Legislações e Propostas Legislativas do Chile, Argentina, Colombia, Brasil, México e Venezuela

Chile

Argentina

Colombia

Brasil

México

Venezuela

Existe exceção ao
princípio da neutralidade para fins de administração técnica ou de segurança?


Sim. Art. 24, H, a)

PL 1159-D-2011

Sim. Art. 1, c

Não.

Sim. Art. 10, caput.

Não.

Não
se aplica.

PL S-1491/11

Sim. Art. 3

Sim. Art. 59, §2º.

Existe a obrigação do oferecimento de serviço de controle parental pelos provedores a pedido dos usuários?

Sim. Art. 24, H, a)

PL 1159-D-2011

Sim. Art. 1, c [4]


Sim. Art. 56, 3.

Não.

Não.

Não
se aplica.

PL S-1491/11

Não.

Não.

Na sexta-feira, dia 24 de setembro, os EUA deram importante passo na regulamentação da neutralidade de rede. Após diversas consultas públicas, debates nos jornais e reuniões a portas fechadas com representantes da indústria, na última sexta-feira, o órgão finalmente enviou para publicação as novas normas que vinham sendo discutidas desde 2010 e, a partir de Novembro, elas entrarão em vigor. As novas regras do FCC sobre neutralidade de rede consistem em:

a) Transparência. Provedores de serviços de banda larga fixa e móvel devem divulgar suas práticas de gerenciamento de rede, características de performance e os termos e condições de seus serviços de banda larga;

b) Proibição de bloqueio. Provedores de serviço de banda larga fixa não podem bloquear conteúdo, aplicativos e serviços lícitos, nem mesmo proibir a conexão de aparelhos que não prejudiquem o funcionamento da rede; provedores de serviços de banda larga móvel não podem bloquear websites lícitos, nem mesmo bloquear aplicativos que compitam com seus serviços de voz ou vídeo-chamada; e

c) Proibição de discriminação de conteúdo de forma não razoável. Provedores de serviço de banda larga não podem discriminar de maneira não razoável o tráfego lícito de rede.

Para os defensores do princípio da neutralidade de rede, as regras ainda são tímidas. Primeiro, por que sua aplicação aos serviços de banda larga móvel é restrita, englobando tão somente a proibição do bloqueio de serviços que compitam com serviços específicos das operadoras dos serviços móveis. Segundo por que, ainda há margem para discriminação, desde que a mesma seja “razoável”. A vagueza e indefinição sobre o que consistiria uma discriminação não razoável podem dar margem a alguns abusos que consumirão tempo e recursos do FCC para monitorá-los de perto.

Apesar dessas críticas as normas são um importante avanço na defesa da neutralidade de rede e na garantia da manutenção das características que possibilitaram a Internet se tornar uma plataforma para inovação.

A principal preocupação do FCC neste momento está em fazer com que estas normas sobrevivam à batalha judicial iminente. Desde que tais normas foram anunciadas pela primeira vez, no ano passado, dois provedores já tentaram derrubá-las na justiça – antes mesmo da sua entrada em vigor. A decisão judicial na época dizia que as empresas deveriam aguardar a publicação oficial das normas para que a ação pudesse ser julgada. Dessa forma, podemos esperar ainda um longo embate na justiça sobre a validade da regulamentação do FCC.

Na esteira da regulamentação global, duas propostas regulatórias brasileiras tem tratado da neutralidade de rede: o marco civil da Internet e o recente regulamento de qualidade para provedores de serviço de comunicação multimídia, colocado em consulta pública pela Anatel.

O marco civil da Internet disciplinou o princípio da neutralidade de rede da seguinte forma:

Art. 10. O responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados, sem distinção por conteúdo, origem e destino, serviço, terminal ou aplicativo, sendo vedado estabelecer qualquer discriminação ou degradação do tráfego que não decorra de requisitos técnicos necessários à prestação adequada dos serviços, conforme regulamentação da Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel sobre preservação e garantia da neutralidade da rede.

Parágrafo único. Na provisão de conexão à Internet, onerosa ou gratuita, é vedado monitorar, filtrar, analisar ou fiscalizar o conteúdo dos pacotes de dados, ressalvadas as hipóteses admitidas em lei.

A consulta pública realizada pela Anatel sugeriu a seguinte regulamentação para a neutralidade de rede:

Art. 59. É vedado à Prestadora realizar bloqueio ou tratamento discriminatório de qualquer tipo de tráfego, como voz, dados ou vídeo, independentemente da tecnologia utilizada.

§ 1º A vedação prevista no caput deste artigo não impede a adoção de medidas de bloqueio ou gerenciamento de tráfego que se mostrarem indispensáveis à garantia da segurança e da estabilidade do serviço e das redes que lhe dão suporte;

§ 2º Os critérios para bloqueio ou gerenciamento de tráfego de que trata o § 2º deste artigo devem ser informados previamente a todos os Assinantes e amplamente divulgados a todos os interessados, inclusive por meio de publicação no sítio da Prestadora na Internet;

§ 3º O bloqueio ou gerenciamento de tráfego deve respeitar a privacidade dos Assinantes, o sigilo das comunicações e a livre, ampla e justa competição.

O marco civil estabelecerá uma regra geral sobre neutralidade impedindo qualquer tipo de tratamento diferenciado para a informação, salvo paras as hipóteses em que as eventuais discriminações ou degradações decorram de requisitos técnicos necessários à prestação adequada dos serviços. Por ser regra, a norma se aplicará a qualquer tipo de serviço de conexão de Internet, seja fixa ou móvel. A delimitação de quais práticas integram a exceção referente aos “requisitos técnicos necessários à prestação adequada do serviço” é delegada à Anatel para futura regulamentação.

O regulamento prevê uma regra geral de não discriminação e vai além, deixando explícito a proibição ao bloqueio de conteúdo e aplicativos. Além disso, a Anatel prevê uma norma de transparência, que é fundamental para que consumidores possam corretamente comparar os serviços que lhe são oferecidos por diferentes provedores de Internet.

Repare que o marco civil adota critério mais amplo do que o regulamento para determinação das hipóteses em que a discriminação é permitida. O critério do marco civil é o da “necessidade para a prestação adequada do serviço”, enquanto o critério da Anatel é o da “indispensabilidade para a garantia da segurança e estabilidade do serviço”. Enquanto é normal que o regulamento da Anatel injete maior  precisão ao texto do marco civil, talvez a adoção do critério mais estreito da indispensabilidade pudesse já ter sido adotado pelo próprio marco civil, evitando assim que futuras mudanças de rumo na agência reguladora tenham impactos sobre a garantia da neutralidade de rede no país.

Por fim, vale lembrar que enquanto a norma geral do marco civil se aplica a qualquer tipo de acesso à Internet, o regulamento da Anatel abrange somente os prestadores do serviço de comunicação multimídia. Em outros termos, somente provedores de Internet fixa serão obrigados a cumprir o regulamento, mas não os de Internet móvel.

É provável que a regra colocada em consulta pública pela Anatel regule a neutralidade de rede antes mesmo da aprovação do marco civil pelo Congresso, dado que a tramitação daquela norma dentro da agência será mais rápida. Isso significa que o regulamento pode ser um ótimo teste para uma regra sobre neutralidade de rede que possibilitará eventuais ajustes no texto do Marco Civil da Internet no Congresso.

O Observatório da Internet tem analisado de perto as iniciativas sobre o tema e continuará publicando análises para melhor informar o debate público sobre assuntos fundamentais para o futuro da Internet.

[1] Lessig, L. Testimony before the United States Senate, Committee on Commerce, Science, and Transportation, at its Hearing on: The Future of the Internet. 2nd Session 110th U.S. Congress, 2008.
[2] Vide nota abaixo.
[3] O fato desta liberdade não constar na norma específica de neutralidade não quer dizer que ela não esteja prevista em outra norma.
[4] O artigo em questão prevê a possibilidade de que o usuário peça ao provedor o bloqueio de conteúdos de sua escolha, o que pode ser interpretado como permitindo, dentre outros, o controle parental realizado pelo provedor.

Participe remotamente do Fórum de Governança da Internet

O Fórum de Governança da Internet (IGF) é um fórum multissetorial, criado em 2006 no âmbito das Nações Unidas, em que a sociedade civil, empresas, comunidade técnica e governos se reúnem para discutir questões relacionadas a políticas e regulação da Internet.  A sexta reunião do Fórum acontecerá em Nairobi (Quênia) de 27 a 30 de setembro.

O encontro discutirá questões relacionadas a temas como infraestrutura, acesso ao conteúdo, privacidade, segurança, abertura, desafios relacionados à Internet móvel, dentre outros, em sessões plenárias e workshops.

Para aqueles que não estarão em Nairobi, opções de participação remota estão disponíveis. Todas as sessões serão transmitidas por webcast e perguntas/comentários podem ser encaminhados via chat.  Instruções para acessar e links estão disponíveis aqui:

A programação completa do evento pode ser acessada aqui. Para fazer a conversão do horário das sessões para o horário de Brasília, é necessário subtrair 6 horas do horário que aparece na agenda.

Na segunda-feira, dia 26, haverá vários pré-eventos, nos quais a participação remota estará disponível:

–       Reunião da Association for Progressiva Communications (APC) sobre direitos humanos e Internet

–       Reunião da ISOC

–       Youth and ICT

–       Giganet – rede de acadêmicos dedicados ao tema da governança da Internet

O CTS/FGV organizará quatro worskhops durante o IGF. A descrição das sessões encontra-se disponível nos links abaixo:

–       Freedom of Expression on the Net: Current Threats to the Internet’s Architecture That Undermine Citizens’ Rights and the Free Flow of Information – quarta feira, dia 28/09, às 10:30 (04:30 da manhã no Brasil)

–       Internet Governance Principles: initiatives toward the improvement of a global Internet Governance – quarta-feira, dia 28/09, às 16:30 (10:30 no Brasil)

–       Global Internet related public policies – Is there an Institutional Gap? – sexta-feira, 30/09, às 09:00 (03:00 da manhã no Brasil)

–       Challenges and Best Practices for Internet Regulation in Africa and Latin America – sexta-feira, 30/09, às 10:30 (04:30 da manhã no Brasil)

FTC estuda mudanças nas regras sobre a privacidade de crianças nos Estados Unidos

Assim como o Marco Civil da Internet e o Anteprojeto de Lei de Dados Pessoais, está aberto desde 05 de abril de 2010 a fase de comentários na Children’s Online Privacy Protection Rule (COPPA Rule), uma lei norte-americana que visa o controle dos pais sobre as informações dispostas na internet por seus filhos menores de 13 anos. Essa lei, que está em vigor desde 21 de abril de 2000, passa agora por um processo de revisão, que pretende garantir sua efetividade no atual cenário de rápida transformação das tecnologias de comunicação e informação.

A Federal Trade Comission (FTC), órgão responsável pela proteção dos direitos do consumidor e da concorrência nos EUA, está à frente desse processo de revisão e preocupa-se em garantir uma experiência mais segura para as crianças ao acessar a internet. As justificativas apresentadas são a grande utilização pelas crianças de celulares com acesso à internet e a proliferação das redes sociais e dos jogos interativos. A COPPA Rule tem visa atingir os operadores de sites cujo conteúdo é dirigido para crianças menores de 13 anos e operadores que sabem que existe um grande número de acessos em seu site por esse público, os quais devem pedir autorização parental antes de coletar seus dados pessoais.

Dentre as propostas de mudanças, podemos destacar:

  • Re-definição de termos como “personal information”, para que digam respeito também a informações como:
    • Dados de geolocalização,
    • Dados coletados por cookies cuja utilização visa auxiliar o setor de publicidade, no que diz respeito ao direcionamento de propagandas para determinado público-alvo;
  • Criação de mecanismos que alertem os pais instantaneamente, quando seus filhos dispuserem informações pessoais em sites (é chamado de “Parental Notice”);
  • Desenvolvimento de novos métodos de consentimento parental da disponibilização de informações pelas crianças;
  • Obrigatoriedade de preenchimento de requerimento pelos operadores do site assegurando que qualquer prestador de serviços ou terceiro para quem eles divulguem os dados possui procedimentos razoáveis de proteção desses dados;
  • Imposição de um limite ao tempo de retenção dos dados pelos operadores dos sites, relativo à necessidade dessa retenção;
  • Condição de caráter definitivo ao ato de deletar os dados pessoais das crianças após o tempo de necessidade de retenção, de forma que impossibilite o acesso ou uso não autorizado desses dados.

Os comentários escritos poderão ser enviados pela internet para a FTC por qualquer pessoa, tendo destaque a atuação nesse sentido de representantes da indústria, representantes da advocacia, acadêmicos e tecnólogos. A data de término deste período é o dia 28 de novembro de 2011.