A difícil tarefa de determinar a extensão e limites da responsabilidade

Com a expansão da utilização da Internet e de tudo o que chegou em conseqüência da rede mundial de computadores, tais como: redes sociais, aplicativos de troca de mensagens, smartphones, entre outros, as pessoas mudaram a forma de se relacionar e de se comunicar, e, conseqüentemente, todo e qualquer fato ou ato passou a ser exibido exageradamente e isso acaba tomando proporções inimagináveis.

O que chama a atenção em tudo isso é que, proporcionalmente ao aumento da exibição da vida privada pós Internet (que talvez já nem exista mais e só tenha restado a vida pública), ampliou-se exponencialmente e inconseqüentemente a tentativa de responsabilização de todo e qualquer agente envolvido direta ou indiretamente e tendo ou não contribuído para um suposto evento danoso.

Ou seja, sem adentrar aos detalhes do caso, numa situação como essa de exibição de uma foto com comentários pejoratívos, há ainda quem pense (absurdamente) que a Universidade deveria também ser responsabilizada simplesmente pelo fato da suposta foto ter sido clicada dentro de suas dependências. E isso vai mais além, não duvide de que já se tenha imaginado o Whatsapp como responsável também, já que através do
aplicativo foram enviadas mensagens se referiram a moça usando palavras de baixo calão.

Responsabilizar é preciso, mas não qualquer um e a qualquer custo!!!!

(Texto em referência à matéria Jovem tem foto publicada em grupo de WhatsApp e processa participantes por difamação)