O blockchain veio para ficar?

Bitcoin

A tecnologia blockchain tem sido comentada em diversas notícias na imprensa e na maior parte das vezes atrelada ao uso de moedas digitais como o bitcoin. Porém, ela tem potencial para muitos outros usos, podendo auxiliar no desenvolvimento de estruturas sociais e econômicas mais transparentes e distribuídas. Mas afinal, o que é esse tal de blockchain?

blockchain é um tipo de banco de dados descentralizado que guarda um registro de transações de modo permanente e à prova de violação. Ele possui a função de criar um índice global para todas as transações que ocorrem em uma determinada área. Pode-se pensar no funcionamento similar ao dos livros de registro de um cartório, só que de forma pública, compartilhada e universal, que cria confiança na comunicação direta entre duas partes, ou seja, sem o intermédio de terceiros.

Há dois tipos de registros no blockchain: transações individuais e blocos. Um bloco é a parte atual do blockchain na qual são registradaas algumas ou todas as transações mais recentes e, uma vez concluído, é guardado de modo linear e cronológico no blockchain como um banco de dados permanente. Assim que um bloco é concluído um novo é gerado, existindo um número infinito de blocos, que são linkados uns aos outros através de uma referência para o bloco anterior.

Além de ser um banco de dados descentralizado, o blockchain também é uma rede peer-to-peer (P2P). Essa rede consiste em uma série de computadores e servidores que atuam como nós na rede. Quando uma nova transação ocorre na rede, a informação dela é propagada entre todos os nós da rede P2P, normalmente criptografada, não havendo como rastrear quem adicionou a informação na rede e sendo possível apenas verificar sua validade. Cada nó obtém uma cópia do blockchain após o ingresso na rede.

blockchain tem sido aplicado a situações em que é necessário manter a informação de propriedade e o histórico das interações. Já existem diferentes usos sendo explorados em pesquisas científicas e até algumas soluções já chegaram ao mercado.

O uso mais difundido é o de moedas digitais ou criptomoedas. O bitcoin é considerada a primeira moeda digital descentralizada e permite executar transações financeiras sem intermediários, sendo que estas transações são verificadas por nós da rede P2P e gravadas em um banco de dados distribuídos, usando a tecnologia blockchain. A transferência de bitcoins se dá através do seguinte processo:

  1. O usuário que fará o pagamento precisa saber o endereço destinatário que pode ser informado através de texto, ou através de um código de barras do tipo QR code, que será escaneado pelo dispositivo do usuário pagador;
  2. O programa de carteira do usuário pagador criará a transação, sendo que o usuário precisa apenas informar a quantia de bitcoins que enviará e qual o endereço de destino;
  3. Para transmitir a transação à rede bitcoin, o usuário precisa apenas conectar-se à Internet. Não é possível cancelar ou reverter uma transação após ela ter sido enviada pela rede. Para ter os bitcoins associados ao seu próprio endereço, o destinatário não precisa estar online no momento da transação e não precisa confirmá-la.

Uma carteira bitcoin armazena as informações que são necessárias para se fazer transações com bitcoin, utilizando criptografia de chave pública. A chave privada é responsável pelo acesso aos fundos da carteira, enquanto que a chave pública pode ser espalhada para receber fundos.

Vários países já estão atentos a esse movimento das moedas digitais e estudam a possibilidade de adotá-las, como é o caso da Estônia que pretende ser o primeiro país a criar uma moeda digital estatal, o EstCoin. Nesse mesmo sentido, a empresa R3 lidera um consórcio de mais de 80 instituições financeiras no mundo para a pesquisa e o desenvolvimento usando blockchain para esse mercado. Um dos estudos vai no sentido de facilitar o processo de transferência internacional de valores entre diferentes instituições financeiras, o que hoje é um processo bastante burocrático e demorado.

Porém, há muitos outros exemplos interessantes de aplicações usando blockchain. O MIT desenvolveu uma prova de conceito em que o blockchain é usado para disponibilização de certificados de conclusão de curso, possibilitando a verificação da autenticidade dos mesmos sem a necessidade de cartório. Uma startup inglesa desenvolveu uma solução em que se rastreia a origem, a qualidade e outras várias características dos diamantes encontrados no mercado com o uso de blockchain. Na mesma linha de rastreamento de objetos, a empresa londrina Deloitte, especializada em prestação de serviços financeiros e assessoria de riscos, desenvolveu uma prova de conceito em que o blockchain é usado para o rastreamento de obras de arte e empréstimo entre museus, sendo possível verificar a autenticidade de determinada obra. Na área de benefícios sociais, o blockchain já vem sendo empregado pelo governo da Finlândia na concessão de ajuda financeira para refugiados.

Apesar de já existir alguns usos comerciais do blockchain, ele ainda é um tema quente de pesquisa, pois há várias questões a serem respondidas: será que ele veio para ficar? em quais casos é vantajoso usá-lo em detrimento a soluções já bem estabelecidas? ele irá acabar com a estrutura financeira atual do mundo? e com os cartórios? será que ele irá auxiliar no desenvolvimento de estruturas sociais e econômicas mais transparentes e distribuídas? Essas e tantas outras são perguntas que só o tempo e muita pesquisa poderão responder.

(Imagem: allanlau2000)